A partir de 2016, os Warao começaram a chegar ao Brasil. Forçados a deixar seu país devido à crise política e econômica, junto a milhões de outros venezuelanos não-indígenas que também buscaram proteção e refúgio fora da Venezuela.

O apoio da União Europeia se dá por meio de um projeto implementado com ACNUR e UNFPA, que investe no fortalecimento da resposta aos venezuelanos na região norte do Brasil e na promoção da proteção de populações em maior situação de vulnerabilidade, como é o caso dos indígenas Warao.